Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




DDO: Ceptro da Pureza

por Andrusca ღ, em 02.07.14

Capítulo 16

As Sombras do Medo * Parte 1

 

“Dêem-me lobisomens, demónios, vampiros, mas fantasmas não. Fantasmas e espíritos é que não”, pensava Chelsea, parada ainda na entrada na casa, aterrorizada. Começou a caminhar de um modo lento e tremelicado, com os olhos muito abertos a tentar penetrar a escuridão. Tinha chegado ao que parecia ser uma sala de jantar. Tinha uma mesa de madeira no centro, com seis cadeiras mandadas ao uso pelo espaço, todas partidas. As teias de aranha eram aos montes, o que fez com que a ruiva estremecesse. “Odeio aranhas”, queixou-se. Passou por um espelho e, ao fazê-lo, o seu reflexo ficou lá retido e começou a observá-la sem que ela desse por isso.

- Will? Brad? – Ia chamando os amigos, mas não obtinha qualquer resposta – Onde é que estão?

O facto de os seus poderes terem perdido o efeito dentro da casa não a tranquilizava nada. Já quando podia mover coisas, tinha medo. Mesmo sabendo que podia levitar, ou que o pingente lhe daria as ferramentas necessárias para lutar, tinha medo. Então agora, que estava por si só, sem qualquer ajuda, sem poder ser a Defensora do Oculto, ainda tinha mais. Agora sim, era apenas a rapariga medrosa e desajeitada que sempre fora, e isso não a tranquilizava absolutamente nada.

Ouviu um pequeno ranger por trás de si e voltou-se de um modo veloz, mesmo a tempo de ver uma sombra passar pela parede cuja tinta branca já estava gasta e quase a desaparecer, e desvanecer-se de súbito. Sentiu um arrepio e abanou a cabeça. Tinha que sair dali o mais rápido possível.

A casa parecia pequena vista por fora, mas por dentro era como um labirinto, e Chelsea foi parar às mesmas divisões várias vezes. Estava num dos quartos quando ouviu um grito e se assustou. Voltou-se para trás e passou pela cama poeirenta e velha para sair e tentar seguir o som. Ela tinha conhecido a voz.

- Helen? – Chamou – Helen, diz alguma coisa!

Tinha acabado de entrar na cozinha quando, a um canto, viu uma das melhores amigas. Helen estava toda encolhida e aterrorizada, sentada no chão e encostada às paredes. O seu cabelo castanho encontrava-se todo emaranhado e os calções e a t-shirt estavam imundos. A ruiva precipitou-se até ela para a ajudar a levantar, mas parou ao ver uma aranha gigantesca do outro lado da cozinha. Devia ter o dobro do seu tamanho, e era medonha. “As sombras reflectem os nossos piores medos”, pensou, ao lembrar-se do que Brad tinha dito no dia anterior, “então não é real… é só uma sombra”. Uma sombra que reflectia o pior medo de Helen.

- Dá-me a tua mão, Helen – pediu.

- Aquilo… aquilo… - Chelsea não esperou mais e puxou a amiga, fazendo-a levantar-se. Não esperava que a aranha se movesse, achou que fosse apenas uma ilusão, mas a verdade é que a sombra não ficou quieta. Mandou-se às duas raparigas e Chelsea apenas teve tempo de mandar Helen para o lado. A aranha gigante ficou por cima da ruiva, que se debruçava para que ela não lhe conseguisse morder. Helen saiu da cozinha por alguns momentos e voltou pouco depois, com um pedaço de madeira que tinha encontrado no hall de entrada. Começou a dar com ele no bicho, fazendo apenas com que ele mudasse de ideias e começasse a tomar-lhe mais atenção a ela.

Chelsea conseguiu levantar-se e a amiga mandou-lhe o pedaço de madeira, permitindo-lhe espetá-lo na aranha com força. Um som muito agudo saiu do bicho, que desapareceu ao transformar-se apenas numa sombra negra que, na escuridão da casa, ficou impossível de achar.

- Graças a Deus – murmurou Helen, apressando-se a chegar ao lado de Chelsea para lhe agarrar no braço – Estás bem?

A ruiva olhou para ela incrédula.

- Não, não estou bem – reclamou – Onde é que estão os outros?

- Não sei. O Brad estava comigo, mas não sei onde se meteu. Temos que os achar.

Chelsea engoliu em seco. Apertou a mão da amiga e começaram a andar pela casa, as duas, muito devagar. Apesar de não gostar de aranhas, sabia que esse era o maior medo de Helen. Só temia que as sombras se lembrassem de imitar o seu.

- O que é aquilo? – Perguntou Helen, enquanto apontava para uma porta ao fundo do corredor.

- Já corremos a casa toda. Eles têm que estar atrás daquela porta – deduziu a outra.

Chelsea tocou na maçaneta que aparentava ser de ouro e estava coberta de teias e rodou-a, abrindo a porta. À frente das duas estendia-se uma escadaria.

- Uma cave? – Perguntou Helen.

- Vamos descobrir.

Desceram as escadas com cuidado, saltando por cima dos degraus já destruídos devido à degradação causada pelo tempo. Ao contrário do que pensaram, não chegaram a uma sala ampla, mas sim a mais um corredor com portas dos dois lados. Parecia uma casa completamente diferente. Começaram a andar e uma das portas por trás delas, à direita, abriu-se, rangendo. Ainda antes de se voltarem, uma mão tocou no ombro de Chelsea e esta gritou como se não houvesse amanhã, fazendo também com que Helen começasse aos berros.

- Calma, calma, calma! – Exclamou Richard, passando para a frente delas. As duas raparigas respiraram fundo.

- Seu idiota! – Ofendeu a ruiva, dando uma chapada no braço do irmão – Quase que nos matavas de susto!

- Desculpa. Ouvi barulho e vim espreitar… graças a Deus que são vocês. Não vos queria assustar – disse ele – Onde estão os outros?

- É isso que estamos a tentar descobrir – revelou Helen.

Chelsea suspirou e deu duas passadas para a frente, fazendo um pequeno “splash” ao andar. Assim que olhou para o chão verificou que este estava a ficar encharcado, mas não conseguia ver de onde vinha a água. E então lembrou-se. Quando eram mais pequenos, ela e Richard viram um filme sobre uma inundação criada por espíritos, e desde então que o rapaz detesta sítios fechados com água.

- Rich… - murmurou ela – Ainda tens medo de inundações?

Richard olhou para ela e franziu as sobrancelhas.

- Sim, mas porquê? – Assim que andou até à irmã e começou também a pisar o soalho molhado, a sua expressão mudou e ficou completamente pálido – Oh, não.

- Não sei combater água – pensou Chelsea em voz alta – Ok, eis o que vamos fazer: vou levar-vos lá para fora, e ficam lá até eu voltar com os outros, estamos entendidos?

- Porque é que não fazes com que a água recue? – Opinou Helen – Assim podemos continuar todos.

- Já disse o que íamos fazer, nem se atrevam a não me ouvir desta vez – disse a ruiva, com uma voz dura. “Se tivesse os meus poderes sim, seria fácil”, pensou.

Voltaram a subir as escadas e Richard e Helen dirigiram-se até à porta, mas a ruiva agarrou numa mão de cada um e abanou a cabeça.

- A porta não abre – anunciou.

Levou-os então até uma das janelas da sala de estar e tentou abri-la, mas não teve o resultado desejado. Podia estar apenas enferrujada, ou então as sombras não os iam deixar escapar com tanta facilidade. Chelsea levou as mãos à cabeça como sinal de desespero e suspirou.

- Está bem, ouçam – disse – Em breve o andar por baixo de nós vai ficar inundado. As sombras estão a fazer isto, e eu tenho que encontrar os outros. Vocês ficam aqui e, façam o que fizerem, não pensem nas coisas que têm medo.

- Mas…

- Fiquem aqui – Chelsea não os deixou dizer mais nada e saiu, correndo até ao andar de baixo.

Começou a gritar por Cassie, por Will e por Brad, mas ninguém lhe respondeu. À medida que andava via as sombras a segui-la pelas paredes, devido à luz fraca que conseguira acender pelo interruptor, e engolia em seco. Eram tantas, e pareciam nunca mais acabar. “Não penses em coisas más”, exigiu-se, “elas não sabem qual é o teu maior medo, não penses em coisas más”. Entrou em várias portas e nunca encontrou ninguém, até que finalmente entrou numa e abriu a boca de espanto. De súbito estava na Casa dos Guardiães, mas o sítio não transmitia a paz nem a grandeza de sempre. Havia Guardiães pelo chão, grandes poças de sangue a manchar todo o cristal que fazia aquela casa. Chelsea levou a mão à boca, tal não era o horror, e olhou para trás. O corredor permanecia intacto, apenas aquela divisão tinha mudado.

- Isso quer dizer… - pensou, em voz alta. Era uma ilusão. Procurou por alguém e, depois de dar a volta a alguns pilares de cristal, deu com Will a lutar contra um demónio escanzelado e de olhos negros. Não pensou duas vezes antes de dar um pontapé ao demónio, seguindo-se alguns murros em conjunto com o amigo. Também ele, quando foi destruído, voltou a sua forma original como uma simples sombra e se espalhou entre todas as outras.

- Isto é horrível – disse Will – A Escuridão atingiu a Casa dos Guardiães.

- É uma ilusão criada pelas sombras. Temos que sair daqui – disse Chelsea.

- Espera… o Brad desmaiou.

Só então a ruiva deu pela presença do outro amigo, desmaiado e encostado a uma das paredes. Em conjunto começaram a carregá-lo e saíram do quarto, fechando a porta.

- Porque é que o chão está molhado? – Perguntou Will.

- É o medo do Richard.

- Ele tem medo de molhar os pés? – Chelsea deitou-lhe um olhar feroz, e o rapaz calou-se. Se ele soubesse o quanto chateada ela estava naquele momento, nem tinha aberto a boca. Pouco depois, voltou a falar – Onde estão os outros?

- A Helen e o Richard estão na sala, mas ainda não encontrei a Cassie. Temos que nos despachar… a água está a subir depressa – e era verdade, a água já lhes ultrapassava os tornozelos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Imagem de perfil

De Ana a 02.07.2014 às 16:53

Foi mesmo triste...
Imagem de perfil

De ♥ Annie ♥ a 02.07.2014 às 16:55

Opaopaopa se eu estivesse nessa casa simplesmente morria!
Eles foram mesmo idiotas por terem ido para ai..
Não sabes o quanto eu adoro esta história, tens mesmo de por mais!!! Agora fiquei mesmo com vontade de ler mais, preciso de saber o que acontece a seguir, depressa!!
Aiii adorei tanto este capitulo!
Imagem de perfil

De ♥ Annie ♥ a 02.07.2014 às 23:40

Falta-me ainda actualizar tambem A sombra atrás de mim...
Ainda bem que já estás livre!! E espero mesmo que postes com mais regularidade!, nas proximas duas semanas vou para fora, sem net, mas quando voltar leio tudinho!!
Obrigada por teres lido os meus querida S2 ainda não sei quando publicarei o proximo, não ando com muita paciencia para escrever, mas pode ser que agora as ferias me tragam inspiração
Imagem de perfil

De Yria Rivers a 02.07.2014 às 17:26

awww ^^ eu até fiquei parva com tanto comentário ahahaha ainda bem que estás a gostar o.o pelo menos parece, o rick não aparece muito mas na minha cabeça ele é uma comédia ^^
Imagem de perfil

De Yria Rivers a 13.07.2014 às 19:37

vim pôr-me em dia ^^
o.o omg eu adoro a tua imaginação, nem imaginas o quanto o.o e isto parecia um trocadilho ahahaha mas é verdade

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor




The Ghosts

web counter free