Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Armadura do Coração

por Andrusca ღ, em 21.01.14

A história até aqui: A Casa de Samantha foi atacada pelo lorde Marx quando esta era ainda pequena, fazendo dela a única sobrevivente. Foi acolhida por uma senhora, Elaine, que a tratou como uma filha, e por Jonah, o filho desta, a quem começou a tratar como irmão. Mais tarde juntou-se ao exército com Jonah, disfarçada de homem e à procura de vingança, onde conheceu o comandante Raj, Quorq e Eresm. Porém foi descoberta pelo príncipe William e forçada a assumir perante o rei e o reino que tinha sobrevivido ao ataque quando era criança. Marx arranjou maneira de matar o rei e expulsá-los do palácio, e foi então que Samantha descobriu o que o lorde procurava na sua casa há 10 anos atrás: um ovo de dragão do qual nasceu Spike. Fez um acordo com Marx sob o qual William ocuparia o seu lugar real, enquanto ela e os outros se preparavam para a luta.

 

Mais ou menos foi isto que se passou até aqui. Por favor digam o que acham.

 

Capítulo 35

 

Spike sobrevoava os céus com a dona montada em si. Samantha não podia acreditar no que os seus olhos viam. A maioria da paisagem era de floresta, tinham optado por seguir um caminho mais escondido para que o dragão fosse exposto o menos possível, mas mesmo assim ela ainda não era capaz de crer na volta que a sua vida tinha dado. Tinha um dragão. Ele pertencia-lhe, ela sentia-o. Pertencia-lhe um animal dado como extinto há centenas de anos. Deu-lhe a ordem que regressasse a terra e ele começou a descer suavemente. Começou a voar baixo, junto aos dois cavalos que transportavam Elaine, Milo e Raj.

- O bosque acaba já aqui – disse Samantha – Como é que o vamos levar até ao palácio?

- Bem… a voar – opinou Milo, recebendo um olhar reprovador de todos – Pensem nisso, o Marx vai ficar a saber de qualquer maneira. E não há outro modo de o transportar. Não o vamos deixar para trás…

- Talvez tenhas razão… - Samantha engoliu em seco – Mas assim que virem um dragão, os guardas vão começar a atacar.

- Então esquivas-te deles, fazes com que o príncipe William te veja – disse Raj – Ele não vai deixar que disparem se te vir em cima do dragão.

Samantha afagou o pescoço de Spike e este arrepiou-se ligeiramente.

- Nós estamos mesmo atrás de ti – disse Elaine.

Spike voltou a voar mais alto e passou pelas muralhas da Cidade Real, sendo logo alvo de grandes olhares por parte da população que não podia acreditar no que via. “Vamos lá”, pensou Samantha. Estavam-se a aproximar do palácio quando setas e mais setas começaram a ser disparada para o animal pelos guardas que estavam nas varandas e no pátio.

- Continua Spike, aguenta – incentivou a rapariga. Ele esquivava-se para um lado, esquivava-se para o outro, mas algumas setas raspavam-lhe pelo corpo o que o fazia soltar vários pequenos gemidos – Não desistas. Estamos quase lá.

Spike ia-se desviar de mais uma seta quando outra lhe perfurou uma asa, fazendo com que soltasse um grito de dor. Foi atraído por toda a barafunda que William foi à varanda do seu quarto, vendo aquele espectáculo horroroso. Ia ordenar que atacassem com mais força quando viu que em cima do dragão que agora cambaleava pelo céu esforçando em demasia a asa magoada estava uma pessoa. Viu os seus caracóis loiros a abanar fortemente e ficou boquiaberto. Correu pelos corredores e saiu pela porta principal.

- Cessem fogo! – Ordenou – Cessem fogo já!

Os guardas tomaram-no como louco, mas obedeceram a tempo de verem o dragão cair a poucos metros de si. Samantha foi expelida para fora, devido ao impacto, e a vários metros atrás da entrada para o palácio vinham os dois cavalos a correr.

- Sam… - murmurou William, que correu até à rapariga e se ajoelhou para ver se estava bem. Ela levantou-se e fez uma expressão de dor, mas logo se lembrou que alguém estava em pior estado que si. Olhou para trás e correu até Spike, fazendo-lhe uma festa.

- Desculpa… - pediu, arrancando-lhe depois a seta com um puxão. A ferida curou instantaneamente, e o dragão olhou para ela com um certo brilho no olhar – Vais ficar bem…

- Então hum… - William tinha-se aproximado por trás de si – Agora tens um… um dragão…?

Samantha virou-se para ele e riu-se, dando-lhe um abraço bem forte. Raj, Milo e Elaine chegaram poucos segundos depois, e respiraram fundo por tudo já ter terminado.

- Eu explico-te tudo – disse Samantha, para William.

Todos entraram para o palácio menos Spike, que ficou nos estábulos, e Milo, que estava encarregado de cuidar dele. William conduziu-os a todos até à sala do trono, onde também Quorq e Eresm estavam, e estes dois sorriram ao ver quem chegava.

- Ora bem, vejam quem decidiu regressar – comentou Eresm na brincadeira, indo na direcção deles e dando um abraço a Samantha.

- Malta… tive saudades vossas – admitiu ela – Vocês são uns chatos… mas senti a vossa falta.

- O que foi aquela balbúrdia toda lá fora? – Perguntou Quorq, depois das recepções. Todos os olhares se viraram para Samantha, que respirou fundo para tomar fôlego para contar toda a história.

Já tinha anoitecido quando finalmente todos os detalhes se deram como contados, e depois de comerem foi quando um rapaz das entregas chegou ao palácio. Levava um pacote para Samantha, o que foi de estranhar, pois supostamente ninguém sabia que ali se encontrava.

- As notícias viajam depressa – comentou Elaine enquanto, como todos, observava o pacote em cima da mesa.

- Não o vais abrir? – Perguntou William.

- O que acham que é? – Perguntou Raj.

- É só um pacote… - murmurou Samantha – Qual é a pior coisa que pode vir aqui dentro? – Ela pensou positivo, mas ao abri-lo ficou horrorizada. Era apenas um pacote, sim, mas quando o antigo comandante espreitou também viu o motivo de tanto horror. A cabeça da mulher que os ajudara na floresta vinha lá dentro.

- Quem é esta? – Perguntou Quorq.

- Uma amiga – murmurou Samantha – Não acredito que o Marx a descobriu.

- Sam, ouve… - William tocou no braço da rapariga e puxou-a para a parte, enquanto os outros continuavam a falar sobre a cabeça – O único motivo pelo que assinei aquele tratado, e pelo que ainda não atacámos o Marx, foi porque tu estavas com ele. O Eresm e o Quorq têm andado a rondar as cidades e vilas… ninguém o quer, todos o querem longe do poder. Alguns populares até desejam por uma guerra…

- É isso que queres fazer? – Interrompeu ela – Começar uma guerra?

- Não… quero acabá-la. De uma vez por todas. Falas sempre em derrubar o Marx, mas nunca o fazes. Vamos fazê-lo juntos, então. O que me dizes? Eu reúno as tropas, tu preparas o teu dragão... Vamos vencê-lo. Para quê adiar mais?

Ela engoliu em seco.

- Tens razão. Ele vai vir atrás de nós, de qualquer maneira. Vai vir atrás de mim. E agora nem se vai importar com quem magoa pelo caminho, porque a única coisa que queria já eu tenho. Ele andava atrás do Spike. Sabes que mais? Vamos a isso.

- Tens a certeza?

- Por hoje descansamos, e amanhã atacamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Imagem de perfil

De ♥ Annie ♥ a 22.01.2014 às 22:31

UMA CABEÇA?? ELE MANDOU-LHE UMA CABEÇA?? COMO ASSIM??
Tadinho do Spike :(( mas vai ficar bem i'm glad :))
Uma guerra, bora! Estou anciosa que a Sam mate finalmente o Marx!
Sem imagem de perfil

De Taras e Manias a 23.01.2014 às 17:55

lindo... adoro

Sónia
Taras e Manias
Imagem de perfil

De Andrusca ღ a 23.01.2014 às 22:11

obrigada (:

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor




The Ghosts

web counter free