Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




DDO: Batalhas sem Fim

por Andrusca ღ, em 05.08.13

Capítulo 18

Novo Ano, Mesma Vida * Parte 1

 

- Vá lá, já sabem as regras, se não responderem têm de beber – disse Chelsea, animada. O seu habitual grupo de amigos riu-se e ela esticou a mão, fechada em punho a agarrar em papéis enrolados e com vários tamanhos. Cada um tirou um papel e quem apanhasse o mais pequeno seria o primeiro a responder, e assim sucessivamente. Este era um jogo que Chelsea fazia com os amigos na passagem de ano desde que se consegue lembrar. Cada um tinha que dizer qual tinha sido a pior parte daquele ano, a melhor, e o que esperava o ano que se seguia. Quanto mais gente entrava para o grupo, maior o jogo ficava, e quem escolhesse passar a sua vez, ou seja, precisasse de mais tempo para pensar e escolhesse ficar para último, tinha que beber um shot.

Mostraram todos os papéis e quem tinha o mais pequeno era Will, para desgraça do próprio, que nunca tinha jogado àquilo e achava uma plena parvoíce.

- Vá lá Will – encorajou Jensen – Melhor parte do ano, pior, e o que queres do próximo. Tens que ser sincero.

O rapaz dos cabelos loiros começou a pensar.

- A melhor parte foi conhecer a Chelsea – a ruiva sorriu e Will revirou os olhos – Ela é uma chata e dá trabalho, mas hoje já não sei como viveria sem ela. A pior parte… - ele suspirou – é estar afastado de casa. E para o próximo ano espero acabar com tudo o que tenho a fazer aqui e regressar.

- Muito bem – disse Richard – Eu sou o próximo. Ora bem, este ano adorei aproximar-me mais da minha irmã – “de saber que ela é a Defensora”, queria ele dizer – Odiei que ela tenha sido posta em perigo várias vezes, como aquele “assalto” à mercearia, e espero que o próximo ano seja mais calminho.

- A Chelsea está em todas – todos se riram com o que Brad disse – Agora eu. Este ano gostei de me mudar para cá e vos conhecer a todos, foi o ponto alto de todo o ano. O pior foi o despedimento do meu pai, mas visto que foi o que causou a nossa mudança até não foi mau de todo. Espero que no próximo ano continuemos todos como estamos agora – “Mas de preferência que a Chelsea esteja ao meu colo em vez de ao do Jensen”, pensou ele, tristemente. Não era segredo nenhum aquilo que sentia pela ruiva.

- Quem é agora? – Perguntou Helen.

- Sou eu, desculpem, estava distraída – interveio Chelsea – Ora bem… o que mais adorei foste tu, sem dúvida – disse ela, para Jensen, que lhe deu um beijo suave nos lábios – O que detestei… uau, o que detestei… bastantes coisas na verdade.

- Como o quê? – Perguntou PJ.

- Os momentos de perigo que o Richard falou – disse a rapariga dos caracóis ruivos, esquivando-se a responder “todas as batalhas com a Escuridão, ter perdido o Jensen e a Cassie, apesar de o Jensen já ter de volta”, como tinha pensado – E no próximo ano espero… espero que as coisas sejam melhores. Espero que haja menos lutas e problemas. Quero paz.

- Ena, muito sentimental – brincou Helen. “Se ela ao menos soubesse”, pensou Chelsea – Agora é a minha vez. Odiei profundamente todas as aulas de Biologia, foram horríveis. Amei cada segundo que passei com vocês. Espero que no próximo ano todos nós estejamos felizes e que voltemos aqui para dizer isto tudo de novo.

- Eu não gostei de nada, não odiei nada, não espero nada. Peace and Love, é o que é – disse PJ, fazendo os outros rir – Próximo.

- No próximo ano espero que esteja aqui mais uma rapariga, não é? A Sra. Tony Pillsburg, que foi só o que me faltou este ano. Adorei a nossa ida à neve na semana passada e detestei aquela avalanche, encheu-me de medo. Ah! Espero que no próximo ano possa também conhecer a Defensora, afinal devo-lhe vários agradecimentos das vezes em que já me ajudou.

- Parece que sou o último – disse Jensen, quando Tony se calou – Amei cada segundo que passei contigo, caracolinhos – Chelsea corou de novo e sorriu-lhe – Detestei saber certas coisas que aconteceram… Espero que para o ano tudo acabe bem.

- Bem, parece que ninguém passou a vez – disse Helen, levantando-se da cadeira e agarrando no seu pequeno copinho – Um brinde.

Levantaram-se todos e riram-se. O Drink&Tell estava ao rubro e eles já estavam roucos de tão alto terem que falar, mas era mais um ano que tinham passado juntos. Um ano cheio de novas aventuras e perigos a espreitar por todas as esquinas. Um ano de descobertas e desilusões. Um ano que, quando olhassem para trás daqui a algumas décadas, se lembrariam.

- A nós – disse Chelsea, levantando também o seu copo, como todos já tinham feito.

- A superar desafios – propôs Will.

- Novo ano, vida nova – disse Brad, enquanto todos batiam com os copos uns nos outros, para depois beberem o shot todo de seguida.

A festa continuou. Uns dançaram, outros ficaram pela mesa à conversa, mas quando finalmente chegou perto da meia-noite o DJ parou a música e começou a contagem decrescente. Todos se aproximaram do palco e Chelsea foi envolvida pelo braço de Jensen, pela cintura, e sorriu-lhe.

- Dez, nove, oito, sete, seis, cinco, quatro, três, dois, um… Feliz Ano Novo! – Gritou o bar inteiro. Então seguiram-se os abraços por baixo do banho de champanhe que o DJ dava àqueles que mais perto do palco estavam, e a música recomeçou.

Era isto, um novo ano. Talvez alguma coisa fosse mudar, talvez não, mas só o facto de se deixar um ano inteiro para trás faz com que as pessoas acreditem que tudo irá ser diferente. Como se por magia todas as coisas pelas quais anseiam vão finalmente acontecer apenas por ser uma nova etapa, sem requerer qualquer esforço ou dedicação. Há aquela esperança de que nada será igual e que tudo correrá melhor. Uma breve ilusão que apenas dura nos primeiros dias, mas que nos primeiros segundos é impagável de se ver.

Depois de um abraço a todos os amigos e vários risos e gargalhadas, Chelsea saiu do bar e ficou à porta, encostada à parede, a respirar um pouco de ar puro. Havia pessoas na rua a fazer a festa à maneira deles. Gente a bater com tampas de panelas nos muros ou em postes de electricidade, ou até em candeeiros daqueles altos. A rapariga dos caracóis ruivos sorriu, ela gostava desta euforia. Mesmo que o mundo estivesse prestes a desabar para alguém, nos minutos seguintes à meia-noite do dia 31 de Dezembro essa pessoa festejava sempre.

- Ah, estás aqui – os seus pensamentos foram interrompidos pela voz do namorado, que se posicionou à sua frente.

- Sim, estava a ficar claustrofóbica ali dentro – justificou-se ela.

- Está mesmo muita gente, nunca pensei que o bar enchesse assim.

- É, nem eu. Jensen, acreditas naquele ditado “ano novo, vida nova”?

O rapaz dos olhos azuis encolheu os ombros.

- Porquê? – Perguntou-lhe.

- Não seria perfeito se tudo mudasse a partir da meia-noite? – Perguntou Chelsea – Não tínhamos mais demónios para combater, nem a Escuridão para derrotar. Não tinha que ser a Defensora nem estávamos sujeitos àquele perigo todo. Assim do nada, apenas por ser um novo ano, tudo mudava.

Jensen sorriu e envolveu-a nos seus braços, depositando-lhe um beijo na testa.

- Gosto da maneira como desejas essas coisas – murmurou-lhe – Inocente.

Chelsea riu.

- Eu sei que não é assim. Estou só a dizer que era maravilhoso se fosse. O meu desejo para este novo ano é que tu e eu fiquemos juntos, que as lutas com a Escuridão terminem sem problemas para o nosso lado, e que todos os nossos amigos concretizem os seus desejos.

- O meu és tu. Tão simples quanto isso.

 

 

Chelsea apertou os atacadores dos seus All-Star roxos, sentada na cama, à pressa e depois agarrou no casaco preto e no gorro branco que o namorado lhe tinha oferecido pelo Natal, pondo-o na cabeça. Desceu as escadas a correr e mandou a mala para cima do sofá, indo depois para a cozinha onde foi buscar uma maçã e dar um beijo de bons dias aos pais.

- Dormiste bem? – Perguntou Norman.

- Sim.

- Tens tudo para a escola? – Questionou Margaret.

- Sim. Tenho que ir, estou atrasada.

A rapariga foi buscar a mala à sala e saiu pela porta ainda a comer a maçã enquanto caminhava apressada. Quando finalmente a acabou de comer começou a correr para ver se ainda chegava antes que o toque se desse, mas ainda ia na rua antes quando o ouviu. “Bela maneira de começares o segundo período”, pensou para si. As coisas não iam mudar como que por obra de uma fada madrinha como Chelsea desejava e, como sempre, ela chegou tarde às aulas. Correu pelos corredores já vazios do Liceu de Diamond City e bateu à porta até ouvir a autorização para entrar.

- Nem no primeiro dia – resmungou a Sra. Curtis – Nem sei porque é que ainda me surpreendo.

- Desculpe – lamentou-se Chelsea enquanto se dirigia ao seu lugar.

- Vá lá meninos, vou recolher as fichas que mandei para fazerem nas férias – anunciou a professora do Inglês, fazendo com que Chelsea ficasse em pânico.

- Raios – murmurou a ruiva, baixinho.

Depois de recolher os trabalhos de uma fila, a Sra. Curtis parou à frente da mesa de Chelsea de mão esticada e a rapariga quase que ficou branca. “Como é que me fui esquecer?”, resmungava consigo própria, “primeiro houve o tempo passado com o Jensen, depois a viagem às montanhas, depois mais tempo com o Jensen… bah, que treta, isto está a começar tudo mal!”.

- Não fizeste, pois não Chelsea Burke? – Perguntou a professora, com um tom de reprovação. Chelsea apenas abanou a cabeça e pressionou os lábios ao ver a Sra. Curtis suspirar – Não sei o que vou fazer contigo, tens que arranjar juízo.

Chelsea suspirou, não podia deixar de concordar com a professora.

Quando a aula acabou os seus amigos foram para o pátio mas ela foi à casa de banho, afirmando que depois iria ter com eles. Já em direcção ao pátio, ao sair da escola, embateu num rapaz e sentiu um calafrio ao mesmo tempo. Não foi como aqueles calafrios normais de frio, era um grande mau pressentimento e mau estar. O rapaz, moreno e só um pouco mais alto que ela, ficou a mirá-la desconfiado.

- Desculpa – disse-lhe, ainda sem lhe tirar os olhos de cima. Chelsea engoliu em seco, era como se tivesse a voz travada na garganta. Queria responder mas não conseguia.

- Não… não faz mal – disse por fim, continuando o seu caminho.

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Imagem de perfil

De francis marie a 05.08.2013 às 19:30

Será que ele é um príncipe da escuridão ? o:
I NEEEDD MOREEEEE *OOO*
Sem imagem de perfil

De Syrena a 06.08.2013 às 00:24

quem será este rapaz? tenho quase a certeza que vai trazer problemas para a Chels...
beijinhos
Imagem de perfil

De ♥ Annie ♥ a 06.08.2013 às 18:53

Gostei desse jogo, e sim era todo sobre a Chels ahah
Ri-me com o que o Brad pensou, sqn pq ela esta bem com o Jensen, mas ele ate me da pena :/
E o Will, ohhh, querido como sempre ;)
AI JENSEN... DERRETO-ME TODA CONTIGO :3
Oh god, mas quem é esse rapaz misterioso?!? HUMMM, não me cheira a coisa boa...
Adooooorei!
Sem imagem de perfil

De Maria a 15.08.2013 às 12:34

oh tudo tem a ver com a chels. coitado do brad.
quem será este rapaz?

Comentar post




Mais sobre mim

foto do autor




The Ghosts

web counter free